Crie um atalho do M&E no seu aparelho!
Toque e selecione Adicionar à tela de início.

Agências e Operadoras

Peru Travel & Adventures oferece pacotes personalizados para o mercado brasileiro

Elson Espinoza, CEO da PTA e Luis Borges, da North America na sede da M&E

Elson Espinoza, CEO da PTA e Luis Borges, da North America na sede da M&E

SÃO PAULO – A PTA (Peru Travel & Adventures), uma das principais operadoras do Peru, está investindo cada vez mais no mercado brasileiro. Com o objetivo de estreitar laços com os operadores do País, a PTA anunciou Luis Borges como seu representante, que ficará baseado em São Paulo para dar suporte as operadoras da capital e de todo o Brasil.

“Esse é um momento importante para nós. Acreditamos que o Peru, em algum momento, vai desbancar a Argentina e o Chile no número de turistas brasileiros, até mesmo pelas políticas de conexão aérea que tem favorecido nosso destino. Cinco anos atrás, nós voltamos ao mercado brasileiro pois enxergamos um potencial. Nesta época, o Peru recebia 50 mil viajantes brasileiros, agora esse número chega a quase 250 mil turistas”, afirmou Elson Espinoza, CEO da PTA.

Para conquistar esse mercado, a PTA estudou e se adaptou muito ao perfil do trade e dos clientes brasileiros. “O brasileiro é mais sensorial, por isso, nós adaptamos nossos produtos. Criamos um catalogo em português com mais de 100 produtos voltados para esse público, que é distribuido exclusivamente no Brasil”, explicou o CEO.

A PTA traçou e colocou em prática uma estratégia de rebranding, criou serviços personalizados com pacotes voltados para o perfil do viajante brasileiro, além de serviços em Português – tanto nos canais de vendas e distribuição, como in loco para conseguir conquistar o mercado brasileiro.

“O DNA da PTA é que vendemos experiência e isso nos torna operadores diferentes. Nós criamos roteiros que incluem experiências gastronômicas, que coloca o turista em contato com as tradições locais. O novo luxo agora são as experiências e o viajante brasileiro é mais sensorial. É isso que ele procura”, explicou Elson. “Criamos experiências para os clientes, indo além das expectativas deles, independente do que ele procura. Trabalhamos com Lua de Mel, turismo de luxo, cultural, ecológico, circuitos de aventura, gastronômico, viagens de incentivo. Foi a partir disso que surgiu nosso catálogo”, disse o CEO.

Elson também apontou as preferências dos clientes brasileiro. “Os viajantes brasileiros estão interessados em três circuitos diferentes: O primeiro é o turismo cultural. Conhecer a cultura viva do Peru, principalmente em destinos como Machu Picchu. O segunda é o de experiência gastronômica. Já o terceiro, que tem se tornado uma tendência entre esse viaajnte são os destinos de aventura premium, onde o turista pode fazer uma trilha longa durante o dia e descansar em um Lodge a noite”, finalizou.

A operadora, que já teve representantes no Rio e é conhecida em mercados como nordeste, sul e sudeste do país, estava aguardando o momento certo para entrar no mercado de São Paulo. De acordo com Elson, São Paulo é um mundo diferente e era preciso encontrar o timing ideal para começar a operar no destino. “Eu queria fazer uma parceria com alguém que conhecesse o trade e tivesse essa abertura. A negociação e a forma como as operadoras de São Paulo trabalham são diferentes, por isso contratamos alguém que estivesse baseado em São Paulo para ajudar a gente neste mercado”.

Em passagem pelo Brasil, a operadora explica que pretende aumentar as parcerias com as operadoras nacionais que desejem trabalhar esse tipo de produto. Por isso, Elson, juntamente com Luis Borges tem visitado a sede de operadoras da capital e do interior de São Paulo.

Para Luis, o maior desafio é capacitar e levar todas as informações aos agentes e os operadores. “Quando assumimos um compromisso desses, uma das coisas que me vem a mente é o desafio de me aproximar a um destino que possuo simpatia e levar o treinamento e a capacitação pros agentes e operadores, para que eles entendam o produto e entendam a empresa. A maior carência dos agentes e operadores de viagem é a falta de capacitação”, explicou.

“Meu objetivo é agregar conhecimento ao trade através de uma empresa que traz essa oportunidade, com ótimos produtos e facilidade. Quero que eles entendam a PTA como uma operadora preocupada com o fator humano, cujo o trabalho é em encantar o cliente. E eu quero fidelizar esses clientes para a PTA”, completou Luis.

Receba nossas newsletters