Crie um atalho do M&E no seu aparelho!
Toque e selecione Adicionar à tela de início.

Destinos / Política / Turismo em Dados

Destinos recebem 180 milhões a menos de turistas internacionais de janeiro a abril

A Organização Mundial do Turismo (OMT) calculou o tamanho do impacto da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) no Turismo em todo o mundo. Embora o mês de junho comece a dar sinais – mesmo que lentos – de retorno, o prejuízo de países e de toda a cadeia turística, que engloba mais de 50 atividades, é calculado em US$ 195 bilhões. Foram 180 milhões de chegadas internacionais a menos de janeiro a abril de 2020, se comparado com o mesmo período do ano anterior.

0a1a-1Ao divulgar o balanço das perdas do setor nos primeiros quatro meses do ano, também influenciada pelas restrições à chegada de turistas em 100% dos destinos em todo o mundo, a OMT enfatizou que o afrouxamento destas restrições e a reabertura das fronteiras têm que ser feitas com muita responsabilidade e segurança, além de reiterar o apoio ao turismo, uma espinha dorsal da economia, por parte de governos e organizações internacionais, para salvar milhões de famílias

“A queda repentina e maciça no número de turistas ameaça empregos e economias. É vital, portanto, que o reinício do turismo seja priorizado e gerido com responsabilidade, protegendo os mais vulneráveis ​​e com a saúde e a segurança como a principal preocupação. Até que o reinício do turismo aconteça, a OMT pede novamente um forte apoio ao setor, a fim de proteger empregos e empresas. Portanto, celebramos as medidas tomadas pela União Europeia e por países, incluindo França e Espanha, para apoiar economicamente o turismo e construir as bases para a recuperação”, disse o secretário-geral da OMT, Zurab Pololikashvili.

Por regiões, a Ásia-Pacífico foi a mais atingida pela pandemia entre janeiro e abril, com uma queda de 51% nas chegadas internacionais. A Europa foi o continente com a segunda maior queda (-44%) em número de turistas estrangeiros, logo seguido por Oriente Médio (-40%), Américas (-36%) e África (-35%), de acordo com a OMT.

Receba nossas newsletters