Crie um atalho do M&E no seu aparelho!
Toque e selecione Adicionar à tela de início.
De acordo com a legislação atual, informamos que a nossa empresa NÃO utiliza cookies para melhorar experiências a quem nos acessa. Por favor leia nossa Política de privacidade e saiba mais sobre a transparência e Governança Corporativa da nossa organização.
OK

Blogs / Mercado e Seguros

Seguro viagem não é só para acidentes

O Chile é um dos países mais bonitos da América Latina e atrai milhões de turistas todos os anos. Porém, nem sempre os visitantes estão preparados para imprevistos que, infelizmente, acontecem em qualquer lugar do mundo. Recentemente, duas tragédias envolveram turistas brasileiros naquele país.

No final de maio, um vazamento de gás casou a morte de seis brasileiros de uma mesma família que viajavam por Santiago, capital do Chile. O grupo estava de férias na cidade havia uma semana e ocupava um apartamento alugado por meio de um site de hospedagens.

O outro caso aconteceu no começo de junho. Duas crianças brasileiras morreram após um deslizamento de pedras durante um passeio turístico na região de Cajón del Maipo, próximo da Cordilheira dos Andes. A rocha se desprendeu e atingiu as meninas que brincavam na neve na hora do acidente.

Nos dois casos, mesmo as pessoas não se colocando em risco, os acidentes simplesmente aconteceram e foram fatais. E justamente nessa hora, estando num país de língua diferente da nossa e longe de casa, que contar com o apoio de uma empresa especializada no atendimento de emergências como essas faz toda a diferença.

Além da dor da tragédia, as famílias ainda terão que buscar forças para resolver todo o processo de repatriação funerária, que é trazer de volta os corpos ao país. Como os falecimentos ocorreram fora do hospital, a liberação e emissão dos atestados de óbito local dependerão das autoridades judiciais competentes.

E apesar do Ministério das Relações Exteriores se colocar à disposição para ajudar no que for necessário, não há previsão legal e orçamentária que permita ao governo brasileiro custear despesas do traslado para o Brasil de restos mortais de um cidadão brasileiro falecido no exterior.

Portanto, todas as despesas – seja da cremação, embalsamamento ou de transporte de restos mortais para o Brasil – deverão correr por conta da família do falecido. No caso que aconteceu em Santiago, foi feito uma vaquinha online para conseguir trazer todas as seis pessoas de volta.

Para estes tipo de imprevistos, e outros que por ventura possam acontecer durante uma viagem, temos a certeza da importância da contratação de um seguro viagem. Tanto financeiramente, porque os custos da repatriação funerária estariam cobertos; como na parte logística, porque todo o processo seria resolvido por pessoas experientes, não causando transtornos para os entes já fragilizados com a situação.

Portanto, ao viajar não deixe de contratar para você e sua família um seguro, afinal, imprevistos acontecem em qualquer lugar e hora

Receba nossas newsletters