Crie um atalho do M&E no seu aparelho!
Toque e selecione Adicionar à tela de início.

Cruzeiros

‘Crise continua sendo extremamente desafiadora, especialmente nas Américas’, diz Trey Hickey

Trey Hickey, vice-presidente Internacional de Vendas da Princess Cruise

Trey Hickey

Ex-VP Sênior Internacional da Princess Cruises e Carnival PLC até maio de 2020 e ex-diretor de Vendas e Marketing da Royal Caribbean e Celebrity Cruises, entre 1997 e 2000, Trey Hickey é hoje responsável pelo GDS – Global Distribution Solutions Pte. Ltd, seu novo empreendimento. No entanto, com mais de 20 anos de experiência na área de cruzeiros marítimos, o executivo revelou seu ponto de vista para diversas questões relacionadas ao futuro do setor.

Para onde vai a indústria de cruzeiros a partir de agora, o que acontecerá após a Covid-19 e como o comportamento do consumidor mudou na pandemia são alguns dos temas que abordados por Trey em conferência com grandes executivos internacionais de todo o setor.

Futuro do setor

Com relação ao futuro da indústria, Trey afirmou que “não há dúvida de que a crise da Covid-19 continua sendo extremamente desafiadora, especialmente nas Américas”.

“Infelizmente, a recuperação será ainda mais complexa para viagens e principalmente para a indústria de cruzeiros. Mas há boas notícias para as marcas dispostas a tomar as ações corretas durante esta fase crítica de recuperação: as recompensas podem ser comprovadamente transformadoras, impulsionando-as para o ranking dos verdadeiros líderes internacionais. De fato, no chinês tradicional, a grafia para ‘crise’ e ‘oportunidade’ deriva dos mesmos símbolos fonéticos”, destacou.

Segundo ele, na história recente, grandes eventos como o 9/11, a crise financeira brasileira em 2012 e o surgimento da China como o maior emissor mundial do mercado de entretenimento apresentaram oportunidades semelhantes às do Covid-19.

“Olhando para trás, algumas marcas como a MSC na América do Sul e a RCCL na Ásia responderam bem à crise e se expandiram para novas posições de liderança, enquanto outras passaram para o segundo plano. Então, mais uma vez, o mundo dos navios de cruzeiro é uma porta aberta à beira de outro período evolutivo”, destacou o executivo.

O que acontecerá após a Covid-19?

De acordo com Trey, crises anteriores revelam que as recuperações são “momentos da verdade” – momentos críticos de virada – que posicionam as empresas de cruzeiros para uma forte recuperação e anos de ganhos contínuos com a diversificação dos fluxos de receita, levando à expansão de participação no mercado mundial ou os deixa expostos a um caminho mais limitado de crescimento unidimensional dentro do núcleo tradicional dos mercados.

“Algumas marcas de cruzeiros estão procurando o caminho menos arriscado e mais direto para retornar à normalidade. Poucas são capazes de seguir o outro caminho, tendo antecipado e respondendo efetivamente à crise e preparadas para a ofensiva na recuperação, muitas vezes assumindo papéis de liderança em mercados anteriormente controlados por outras”

“Muitas vezes, é tarde demais para reconhecer uma crise ou outra situação difícil e de uma posição defensiva, algumas marcas de cruzeiros estão procurando o caminho menos arriscado e mais direto para retornar à normalidade pré-crise, aterrissando em uma situação confortável e familiar, onde esperam retornar à posição de “negócios como sempre”. Poucas são capazes de seguir o outro caminho, tendo antecipado e respondendo efetivamente à crise e preparadas para a ofensiva na recuperação, muitas vezes assumindo papéis de liderança em mercados anteriormente controlados por outras.

Para Trey, “enquanto algumas marcas preferem adotar uma abordagem de espera, outras – embora arriscadas – vencem sendo as primeiras a agir, principalmente quando trabalham em conjunto com todos os ecossistemas locais em que operam; Inclui governos, portos, conselhos de turismo e agentes de viagens”.

Como mudou o comportamento do consumidor na pandemia?

“A Covid-19 causará um impacto econômico significativo com as contrações do PIB em 2020 e provavelmente se estenderá até 2021. Todos oferecerão oportunidades abundantes de crescimento no consumo de navios de cruzeiro, principalmente na Ásia em pacotes de curta distância para Cingapura, Japão e Taiwan, além de destinos de longa distância em toda a Europa”, destacou Hickey.

Receba nossas newsletters
 

Todo o conteúdo produzido pelo Mercado & Eventos é protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo sem autorização do Mercado & Eventos.

Para compartilhar esse conteúdo, utilize uma das formas de compartilhamento dentro da página.