Crie um atalho do M&E no seu aparelho!
Toque e selecione Adicionar à tela de início.

Destinos / Opinião

OPINIÃO – Oreni Braga cobra desenvolvimento sustentável do Turismo do AM

Oreni Braga

Oreni Braga

Em artigo publicado no portal CM7, a especialista em Ecoturismo, Planejamento e Gestão de Parques Nacionais e Design de Ecolodges e Mestre em Gestão e Auditoria Ambiental, Oreni Braga, indagou os leitores com o título “Como será o amanhã? Responda quem puder!”. Em seu artigo, Oreni Braga cobra o compromisso governamental para o desenvolvimento sustentável do Turismo do Amazonas. Veja abaixo o texto na íntegra retirado do CM7.

COMO SERÁ O AMANHÃ? RESPONDA QUEM PUDER!

Há exatamente 52 anos, foi criado o Modelo de Desenvolvimento para a Amazônia Ocidental, denominado Zona Franca de Manaus, como uma área de livre comércio, com incentivos fiscais especiais, na busca de desenvolver a Região, incentivando a instalação de grandes e importantes fábricas nacionais e internacionais, gerando empregos e desenvolvimento, tendo em vista que a Amazônia se encontrava distante dos centros de grande consumo no país. É racional destacar que o modelo não só se instalou para implantar o Parque Industrial, como criou o comércio de importados que gerou o ciclo virtuoso com o Turismo de Compras, o qual mexeu com a cabeça dos brasileiros que se deslocavam dos centros de consumo para vir até Manaus adquirir esses produtos e aqueles fabricados no distrito industrial.

Pois bem, durante 05 (cinco) décadas, a Superintendência da Zona Franca de Manaus – SUFRAMA foi administrada por inúmeros e “importantes” senhores que conhecendo ou não o verdadeiro papel da ZFM, jamais envidaram esforços para descentralizar a riqueza criada pelo Parque Industrial e levar aos demais municípios
contemplados com os incentivos, novos modelos de desenvolvimento. Aliás, a falta de compromisso com a região, e em especial, com o Estado do Amazonas foi e continua sendo tão grande, que deixaram o Comércio ir a bancarrota e nunca buscaram resgatar.

Alguns imputam a culpa no governo Collor, que há 29 anos, liberou as importações para o resto do país. Então perguntamos: E porque o comércio de importados na rua 25 de março, em São Paulo, que não tem política de incentivos movimenta uma cadeia de vendas extraordinária? E porque a Feira do Paraguai, em Brasília, seduz milhares de brasileiros para comprar imitações? Então a competência deles é maior que a nossa? E veja que os produtos Made In Zona Franca de Manaus eram, e os poucos que ainda resistem, são bens duráveis, tem pedigree.

Mas, a falta de compromisso ou a incompetência foi apenas de quem administrou a SUFRAMA? Claro que não! Nesses 50 anos o Amazonas foi governado por homens que vivenciando as ameaças constantes contra o Modelo Zona Franca de Manaus, se preocuparam apenas em restabelecer algumas perdas, manter alguns ganhos, muitos em troca de benefícios pessoais, mas jamais atentaram que a galinha dos ovos de ouro, mesmo tendo vida longa, poderia perder o ninho e seus ovos serem destinados a outro terreiro. O capital se desloca para onde o empresário tem maior lucro. A saída de algumas marcas importantes do polo industrial é o sinal de que nada vai bem. O enfraquecimento institucional da SUFRAMA é outro indicativo de que numa linha de tempo curto poderemos enfrentar um colapso econômico de grande monta.

A pergunta que não quer calar é: porque durante 50 anos não desenvolveram uma matriz econômica que implantasse no Amazonas um Parque de fábricas de peixes enlatados para exportar para a Índia, China, África e outros? O Amazonas é detentor de mais de 2 mil espécies de peixes e pode incentivar a piscicultura de espécies menos nobres, em larga escala, para esse objetivo. Porque não houve um compromisso governamental e de estado para o desenvolvimento sustentável do Turismo?

O estado é rico em atrativos naturais e culturais, mas sem recursos para investir em infraestrutura de acesso, linhas de crédito ao empresário, marketing e propaganda, infraestrutura básica, revitalização de portos e aeroportos nos municípios com apelo turístico, não acontece nada. Não se vende atrativo. Se vende Produto Turístico. Porque até hoje os recursos minera