Crie um atalho do M&E no seu aparelho!
Toque e selecione Adicionar à tela de início.
De acordo com a legislação atual, informamos que a nossa empresa NÃO utiliza cookies para melhorar experiências a quem nos acessa. Por favor leia nossa Política de privacidade e saiba mais sobre a transparência e Governança Corporativa da nossa organização.
OK

Política

Fornatur pode ter outros candidatos à presidência

.

.


Prosseguem as articulações em torno das sucessões de dois órgãos do turismo: a Fundação Comissão de Turismo Integrado do Nordeste (CTI-NE) e o Fórum Nacional de Dirigentes e Secretários Estaduais de Turismo (Fornatur). Para o primeiro; que atualmente é presidido pelo secretário de Estado de Turismo do Ceará; Bismarck Maia; está cotada a secretária de Turismo do Estado de Alagoas; Danielle Novis; cujo nome pode ser confirmado durante reunião que será realizada na próxima BNTM; em Natal; entre os dias 12 e 15 deste mês.

Por sua vez a eleição para a presidência do Fornatur; em substituição de Nilde Brun; vai ocorrer durante o Festival de Turismo das Cataratas; entre os dias 16 e 18 de junho. Um dos nomes já comentados para assumir o órgão é Bismarck Maia; que retornaria ao cargo.

No entanto; entre o trade do turismo; também se comenta o nome do secretário de Turismo do Estado da Bahia; Domingos Leonelli; para ocupar o cargo. A reportagem do M&E falou com o secretário que disse que não vai entrar em disputa direta pelo cargo de presidente do Fornatur; mas admite seu nome se isso sair de um consenso entre os colegas secretários. Ele disse ainda que o modelo de administração do Fórum precisa mudar; pois está perdendo força. “As reuniões coincidindo com as feiras tiram conteúdo do Fornatur; que deveria se reunir em Brasília; de forma concentrada; sem disputar tempo com atividades promocionais”; disse.

Para ele; as reuniões do Fornatur devem se concentrar nos objetivos e estratégias do turismo do Brasil e no e temas interesse dos estados: “É um fórum de debate e articulação dos interesses dos estados junto ao Ministério do Turismo. O Turismo perde a cada dia mais prestígio político e econômico; pois as reuniões do Fornatur ficam sempre associadas aos eventos promocionais; numa agonia para acabar rápido; apenas para ouvirmos o ministério e registrarmos apressada e precariamente as opiniões e experiências de cada estado”; disse.

Ele criticou; inclusive; a próxima reunião durante do Festival das Cataratas: “Vai se fazer uma reunião tão importante como essa; com eleição; num festival; onde todos os secretários deveriam estar presentes; mas como participantes do festival; não para coincidentemente estarem na reunião”; reclama.

Leonelli também se diz preocupado com o modelo de gestão do Fornatur. “A presidência do Fornatur deveria ser obtida por meio de um consenso; do contrário pode acontecer o que aconteceu com a CTI Nordeste; que foi se esvaziando e as pessoas deixaram de participar. É preciso consenso quanto ao nome do presidente; a forma de participação nas reuniões e a administração. Não tenho notícias que tenham sido distribuídos os balanços e balancetes. A gestão tem que ser transparente. Tem que ser objeto de uma união; pois o presidente tem que ter voz forte junto ao governo; à sociedade; à economia e à própria estrutura administrativa da instituição Fornatur”; avalia.

Segundo ele; o tema da conta satélite; na última reunião; teve um tratamento errado. “Na última reunião foi feita apenas uma exposição da conta satélite e mais nada. Não houve mobilização; não se transforma o tema em exigência junto ao IBGE. O Fornatur tem que ser firme; e elegantemente fazer pressão democrática; até para ajudar o ministério; além de trabalhar junto à Câmara e ao Senado”; finalizou.

Domingos Leonelli

Receba nossas newsletters