Crie um atalho do M&E no seu aparelho!
Toque e selecione Adicionar à tela de início.

Serviços

CNC e Eurochambres apoiam livre comércio entre Mercosul e União Europeia

José Roberto Tadros, presidente da CNC

José Roberto Tadros, presidente da CNC

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e a Associação das Câmaras de Comércio e Indústria Europeias – Eurochambres assinaram, nesta quarta-feira (22), um documento conjunto em apoio à ratificação do Acordo de Livre-Comércio entre Mercosul e União Europeia, firmado em 2019.

O presidente da CNC, José Roberto Tadros, conduziu a solenidade, enquanto presidente Pro Tempore do Conselho de Câmaras de Comércio do Mercosul (CCCM), que contou com a participação dos membros efetivos Uruguai, Paraguai, Argentina, e dos membros associados, Bolívia e Chile. Pelo lado europeu, assinou o documento o presidente da Câmara Europeia de Comércio, Christoph Leitl. O objetivo foi promover o restabelecimento dos laços entre a América Latina e a Europa.

Ambas as câmaras manifestaram expressamente seu apoio para que o Acordo de Livre-Comércio entre Mercosul e União Europeia entre em vigor com a maior brevidade possível. A expectativa é que a ação traga resultados expressivos para as economias envolvidas, com aumento exponencial na produtividade total dos fatores de produção, bem como ganho na relação do comércio bilateral entre os dois blocos, tendo em vista que o acordo, considerado o mais importante da história do livre comércio, envolve 27 países da União Europeia e quatro do Mercosul, que juntos somam 25% da economia mundial.

“Estamos expressando publicamente nosso apoio à assinatura do Acordo entre os dois blocos com a crença no aumento significativo do fluxo comercial, consolidando a participação de empresas sul-americanas e europeias nos respectivos mercados e acelerando o processo de transferência de tecnologia. Ao mesmo tempo que estabelecerá o vínculo estratégico, político, cultural e econômico permanente entre os dois blocos, o que facilitará o acesso a bens, serviços e investimentos por meio da redução e eliminação de restrições”, declarou Tadros.

Receba nossas newsletters