Crie um atalho do M&E no seu aparelho!
Toque e selecione Adicionar à tela de início.
De acordo com a legislação atual, informamos que a nossa empresa NÃO utiliza cookies para melhorar experiências a quem nos acessa. Por favor leia nossa Política de privacidade e saiba mais sobre a transparência e Governança Corporativa da nossa organização.
OK

Serviços / Turismo em Dados

Locadoras deixam de comprar cerca de 400 mil veículos em 2021

locadoras

Investimento anual que deixará de ser feito neste ano será superior a R$ 22 bilhões

As locadoras comprariam 800 mil veículos no decorrer de 2021, se não fosse a crise causada pela pandemia de Covid-19, conforme projeção da Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis (Abla). Agor, a realidade é outra e a entidade aponta para a realização de no máximo 50% desse potencial, com compras entre 380 mil a 400 mil automóveis e comerciais leves.

Conforme a projeção da Abla, levando em consideração que o preço médio dos veículos comprados por locadoras gira em torno de R$ 60 mil, o investimento anual que deixará de ser feito neste ano será superior a R$ 22 bilhões. “A queda é impactante frente ao total de carros que o setor iria comprar, não fossem as consequências dessa pandemia”, diz o presidente do Conselho Nacional da Abla, Paulo Miguel Junior.

Em junho, foram quase 167 mil unidades produzidas, o que representou retração de 13,4% em relação ao mês de maio. “É uma produção quase 70% acima daquela verificada no mesmo período do ano passado, mas é preciso lembrar que em abril, maio e junho de 2020 passamos pelo auge das medidas de isolamento”, avalia Miguel Junior.

Conforme o presidente da Abla, a realidade da indústria automotiva no mundo, não apenas no Brasil, “é a de que as montadoras não têm carros para entregar”. Para Paulo Miguel Junior, a falta de insumos, principalmente de chips, “ainda pode piorar se pensarmos na concorrência com o setor de eletrônicos, que demanda ainda mais semicondutores no segundo semestre. Nossa expectativa é que o mercado de veículos só volte à normalidade em 2022”.

Receba nossas newsletters