Crie um atalho do M&E no seu aparelho!
Toque e selecione Adicionar à tela de início.
De acordo com a legislação atual, informamos que a nossa empresa NÃO utiliza cookies para melhorar experiências a quem nos acessa. Por favor leia nossa Política de privacidade e saiba mais sobre a transparência e Governança Corporativa da nossa organização.
OK

Destinos

Espanha quer manter estado de emergência até maio de 2021

Madrid

A decisão foi anunciada pelo primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez

A Espanha entrou em novo estado de emergência neste domingo (25), com objetivo de tentar conter o aumento nas infecções pelo novo coronavírus, impondo toques de recolher noturnos (de 22h às 06h) em todo o território (exceto as Ilhas Canárias) e proibindo as viagens entre as regiões do país em alguns casos.

A decisão foi anunciada pelo primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez, e agora precisa ser aprovada pelo Parlamento para que dure pelos próximos seis meses, até maio de 2021. “A realidade é que a Europa e a Espanha estão imersas numa segunda onda da pandemia. Estamos vivendo em uma situação extrema, é a mais grave na última metade de século”, disse ele em entrevista coletiva após uma reunião de gabinete.

A Espanha impôs um dos lockdowns mais severos no início da pandemia e depois relaxou as medidas ao longo do verão no Hemisfério Norte. Mas como em muitos outros países da Europa, a Espanha tem vivido uma segunda onda nas últimas semanas e agora tem os maiores números de infecções da Europa Ocidental. O total de casos subiu para 1.046.132 na sexta-feira (23), enquanto o número de mortos se aproxima de 35 mil.

O segundo estado de emergência nacional não é tão restritivo quanto a ordem emitida em março, que determinava confinamento domiciliar para seus 47 milhões de habitantes por mais de seis semanas e fechava as fronteiras do país. As autoridades querem evitar outro fechamento completo

“Não há confinamento domiciliar nesse estado de emergência, mas quanto mais ficarmos em casa, mais seguros estaremos. Todos sabem o que devem fazer ”, disse Sánchez. “A perda de vidas deve ser o mais baixa possível, mas também devemos proteger nossa economia.”

Fonte: TravelPulse e Agência Brasil

Receba nossas newsletters