Crie um atalho do M&E no seu aparelho!
Toque e selecione Adicionar à tela de início.

Política

Governo de São Paulo libera R$ 360 milhões para 70 estâncias turísticas

Vinicius Lummertzs, ministro do Turismo

Estâncias Turísticas receberão R$ 360 milhões

O governador João Doria liberou, na última sexta-feira (22), R$ 360 milhões para as Estâncias Turísticas de São Paulo. Estes recursos contribuirão para que obras e programas vinculados ao desenvolvimento do turismo possam ser concluídos nas 70 cidades reconhecidas como estâncias turísticas no estado.

No último dia 8, as Secretarias de Turismo e Desenvolvimento Regional uniram esforços para viabilizar a retomada de obras conveniadas até 2017 e que tiveram empenhos cancelados. Na mesma reunião, secretários estaduais, prefeitos e representantes de associações do setor também discutiram o Decreto 64.067/2019, que cancelou 176 convênios de infraestrutura turística firmados em 2018, na gestão anterior, sem reserva orçamentária prevista em lei.

O secretário de Turismo, Vinicius Lummertz, e o secretário de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, apresentaram aos prefeitos das estâncias e MITs (Municípios de Interesse Turístico) proposta para garantir os recursos aos municípios. A solução foi usar a verba do orçamento de 2019 para o pagamento de obras e serviços pendentes. As propostas reapresentadas pelas prefeituras já estão sendo recebidas e analisadas pelo Governo de São Paulo a partir de critérios técnicos e orçamentários.

Com o acordo aprovado na reunião, a estância de Ibirá saiu à frente. Famosa por suas fontes de água mineral, Ibirá foi a primeira cidade beneficiada pela nova proposta da gestão Doria aos municípios turísticos. A prefeitura apresentou projeto para ampliação do Complexo Aquático da cidade e, após a reforma, a expectativa é que Ibirá passe a receber 8 mil visitantes por mês.

Vale ressaltar que os montantes são liberados mediante a apresentação de convênios para obras de infraestrutura turística com a aprovação do Conselho Municipal de Turismo de cada cidade, além do aval do COC – Conselho de Orientação e Controle.