Crie um atalho do M&E no seu aparelho!
Toque e selecione Adicionar à tela de início.

Aviação

Preço do QAV em Guarulhos e no RIOgaleão supera o de grandes aeroportos no mundo

Movimento no dia 9 de fevereiro será 20%  maior(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O valor do combustível agora em Guarulhos é cerca de 150% a maior do que em Kuala Lumpur (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O querosene de aviação (QAV) disponível no Aeroporto Internacional de São Paulo e no Aeroporto Internacional Tom Jobim, no Rio de Janeiro, para abastecimento de voos domésticos, é mais caro do que o preço praticado em grandes aeroportos internacionais que contam com uma movimentação de passageiros anuais muito maior. É o que mostra o Panorama 2017 da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), conjunto de dados e análises da aviação comercial brasileira.

Para se ter uma ideia da diferença de custos do QAV no Brasil e no mercado externo, o combustível custa US$ 1,02 no Aeroporto Internacional de Heathrow, em Londres, um dos mais movimentados do mundo. Em Guarulhos, o custo médio chega a US$ 1,41 por litro. Já no RIOgaleão, o litro chega a US$ 1,30 para voos domésticos. O valor cobrado somente no Galeão, em que o QAV é mais barato do que em São Paulo, é 27% maior do que no Heathrow, por exemplo.

Área de embarque internacional do aeroporto RioGaleão (Foto: Divulgação)

O valor cobrado somente no Galeão, em que o QAV é mais barato do que em São Paulo, é 27% maior do que no Heathrow (Divulgação/RIOgaleão)

Analisando a diferença para outros países, o valor do combustível agora em Guarulhos é cerca de 150% a maior do que em Kuala Lumpur (Malásia), com custos na casa de US$ 0,55 por litro, e 38% superior ao Aeroporto de Heathrow. “O Brasil é o único país que tem cobrança de um imposto regional (ICMS), sobre o querosene de aviação, cuja alíquota varia de 12% a 25%. Isso encarece a operação de voos domésticos de forma significativa”, diz Eduardo Sanovicz, presidente da Abear.