Crie um atalho do M&E no seu aparelho!
Toque e selecione Adicionar à tela de início.
De acordo com a legislação atual, informamos que a nossa empresa NÃO utiliza cookies para melhorar experiências a quem nos acessa. Por favor leia nossa Política de privacidade e saiba mais sobre a transparência e Governança Corporativa da nossa organização.
OK

Aviação

Parlamento aprova repasse de 400 milhões de euros à Alitalia

Governo ainda não encontrou comprador para a companhia aérea

Governo ainda não encontrou comprador para a companhia aérea

O Senado da Itália aprovou, nesta quarta-feira (29), um decreto do governo que concede um empréstimo público de 400 milhões de euros à Alitalia. De modo definitivo, a medida teve 140 votos a favor e apenas um contrário. No entanto, o resultado contou com 100 abstenções de senadores de oposição.

O novo decreto, que ocorre em decorrência do fracasso no processo de venda da Alitalia, é mais um esforço do governo para manter a companhia aérea ativa enquanto busca empresas interessadas na aquisição. Nos últimos anos, a companhia já havia realizado um empréstimo de 900 milhões de euros em dinheiro público. Agora, com os 400 milhões de euros, a Alitalia totaliza 1,3 bilhão de euros de dívida com o governo italiano.

Leia também:
Alitalia nega rumores e garante: “Todas as operações permanecerão normais”
Alitalia encerrará operações em junho se não conseguir investidores, diz ministro

De acordo com as leis da União Europeia, fica proibida a ajuda do governo à empresas privadas. Portanto, o novo empréstimo deverá ser restituído com juros no prazo de seis meses após a concessão. A Alitalia está sob intervenção do governo desde maio de 2017, quando passou por uma crise e quase encerrou as operações.

Processo de venda da companhia

Lufthansa e Ferrovie dello Stato ficaram de fora do plano de resgate da Alitalia. A decisão agravou ainda mais a já delicada situação da companhia italiana. O ministro da Economia da Italia, Stefano Patuanelli, no começo do mês,  reconheceu o atual momento da Alitalia e afirmou à imprensa local que segue “num caminho estreito e difícil”.

Como anunciado pelo M&E em novembro, o consórcio investidor liderado pela estatal ferroviária italiana não estava em condições adequadas no momento de implementar o plano de resgate para a completa e já aguardada reestruturação da companhia. A informação foi confirmada pela própria Ferrovie, em comunicado divulgado no mesmo momento, um dia antes do deadline que encerraria as propostas pelo resgate da estatal italiana.

Receba nossas newsletters