Crie um atalho do M&E no seu aparelho!
Toque e selecione Adicionar à tela de início.

Feiras e Eventos

MEETING FESTURIS – Experiências e destinos inteligentes são futuro do Turismo

Richard Alves, da PSP Resort, Ana Clévia Guerreiro, do Sebrae, Pere Perugorria, da Barcelona Media, Tânia Brizola, e Eduardo Zorzanello, do Festuris

Richard Alves, da PSP Resort, Ana Clévia Guerreiro, do Sebrae, Pere Perugorria, da Barcelona Media, Tânia Brizola, e Eduardo Zorzanello, do Festuris

GRAMADO – A primeira edição do Meeting Festuris teve início nesta sexta-feira (9) com o painel “Cidades Inteligentes e Experiências no Turismo”. O evento substitui as palestras, que até o ano passado faziam parte da programação do Festuris. Cerca de 300 profissionais acompanham as apresentações no Hotel Master.

O primeiro painel teve como mediadora, Ana Clevia, do Sebrae. Ao abrir a discussão, a executiva lembrou que uma cidade inteligente tem entre suas características, a questão da segurança. “O grande desafio do turismo passa por questões de serviços como mobilidade e infraestrutura”. Ana ainda citou Gramado como exemplo de cidade modelo e os desafios para que os destinos turísticos enfrentam para obter sucesso.

Ao discutir o tema, Richard Alves, consultor de turismo e diretor-executivo da Porto Seguro Hotéis, destacou a “Destinos Turísticos Inteligentes”, enquanto Pere Muñhoz Perugorria, consultor de Turismo da Espanha, falou sobre “A Experiência na Escolha dos Destinos”. Na opinião de Alves, o personagem central neste tema é o turista. “É ele que traz recursos, mas temos que dar a contrapartida, ou seja, serviços que atendam suas expectativas”. Citou os números de turismo no Brasil e no mundo. “O brasileiro colocou o turismo na sua cesta de consumo e já mobiliza 70 milhões de viajantes. Isso mostra a força do mercado doméstico”, complementou Pere.

Ele abordou ainda os benefícios econômicos e sociais que o setor traz para a cidade. “É importante que o destino tenha recursos alocados para investir e atrair investimentos”. Alertou porém sobre o impacto negativo em relação a  temas como meio ambiente, mobilidade urbana, entre outros. “O importante é ter uma boa gestão de modo a trabalhar o equilíbrio entre os impactos positivos e negativos”.

Segundo Pere, o impacto das tecnologias é uma realidade. “E o perfil do viajante muda a cada dia. Eles têm mais informações disponíveis com o uso da internet. Temos que trabalhar então os canais disponíveis para sucesso mercadológico. Precisamos ser cada vez mais eficientes, inovadores e competitivos”, destacou.

Ao encerrar destacou as características dos chamados Destinos Inteligentes. “Contam com infraestrutura tecnológicas que abordam temas como a sustentabilidade e pilares como abordagem do comportamento, captura de informações, engajamento e análise de dados. Mas não podemos esquecer como vamos interagir com o visitante e a capacidade de inovação permanentemente conectada com as necessidades do turista e temos que surpreender sempre com novos produtos e serviços, de modo a gerar resultado”, complementou.

INDÚSTRIA DA FELICIDADE

O consultor Pere Muñhoz Perugorria iniciou sua apresentação ao lembrar que o objetivo do turista é o de poder alcançar a felicidade, em sua experiência de viagem. “O turismo é a indústria da Felicidade e o que precisamos oferecer a esse visitante e ao habitante do destino, uma boa qualidade de vida. O Brasil só será um destino turístico de sucesso quando os brasileiros falarem bem do seu país, mas isso não acontece”. Citou o exemplo da Europa com o impacto do terrorismo e outros desafios. “Qualidade de vida diz respeito à melhoria na infraestrutura para moradores e turistas. Ve