Crie um atalho do M&E no seu aparelho!
Toque e selecione Adicionar à tela de início.

Aviação

Gol deixa Aeroparque e passa a operar no Ezeiza a partir de abril de 2019

Companhia também confirmou 50 voos extras para Argentina na alta temporada

Giancarlo Alcalai, gerente executivo de Mercado Internacionais da Gol, participa da FIT 2018

Giancarlo Alcalai, gerente executivo de Mercado Internacionais da Gol

BUENOS AIRES – A partir de abril de 2019, o Aeroparque Jorge Newbery, na capital argentina, passa a receber apenas operações domésticas e voos internacionais do Uruguai. A decisão do governo em centralizar todos os voos provenientes do exterior no Aeroporto Internacional de Buenos Aires/Ezeiza obrigará a Gol a trocar suas operações de aeroporto no país. Até o momento, a companhia já entregou 50% do seus slots no Aeroparque.

Para Giancarlo Alcalai, gerente executivo de Mercado Internacionais da Gol, que participa da FIT 2018, a decisão do governo não é considerada uma mudança positiva. “Quando olhamos para o ponto de vista do passageiro, principalmente do corporativo, não é uma mudança positiva, embora o Ezeiza seja mais confortável. Isto porque o Aeroparque é bem localizado, enquanto o Ezeiza é mais distante. No entanto, teremos tempo para nos adaptar e algumas vantagens para conectar os argentinos com todas as capitais do Brasil e, de lá, para o exterior”, disse.

Antes disto, no entanto, tem a temporada de verão. De acordo com Giancarlo, serão 50 voos extras a partir de dezembro entre Brasil e Argentina. “Iremos utilizar nosso hub em Brasília, de forma estratégica, para conectar os argentinos com todo Brasil e exterior, como nossos novos voos para Cancún, Miami, Orlando e Quito. O bom é que todas as saídas partirão de Ezeiza, o que melhorará a conectividade e nossa presença no aeroporto”, disse. “Por outro lado, o hub da Air France-KLM e Gol no Nordeste fica mais focado no Norte do Brasil e Europa”, completou.

CHEGADA DAS LOW-COSTS NO CONE SUL: GOL PREPARADA

Giancarlo afirmou que a Gol está preparada para a chegada das low-costs no mercado argentino, como Flybondi, que já solicitou centenas de rotas para o Brasil, e a própria Norwegian Air Argentina, que já caminha a passos largos no país. “A concorrência é positiva e natural. A Gol cresceu e se tornou líder no mercado brasileiro em meio a uma grande concorrência. Logo, estamos sempre preparados e em busca de fortalecermos cada vez mais nossa presença”, revela Giancarlo.

De acordo com o gerente, é o produto de qualidade que diferencia a Gol da concorrência das low-costs. “E nossa relação com o trade argentino é fortíssima. Atualmente, 75% das vendas da Gol por aqui são através de agências. Sem falar na grande parceria que temos com a Aerolíneas Argentinas. Enquanto operamos em cinco aeroportos, a companhia argentina opera em todo o país nos alimentando e isto também acontece no Brasil”, revelou.

O M&E viaja de Ethiopian Airlines e com proteção GTA