Crie um atalho do M&E no seu aparelho!
Toque e selecione Adicionar à tela de início.

Agências e Operadoras / Feiras e Eventos / Hotelaria

Desafios da hotelaria é pauta no 2º Abav Meeting SP

Isabelle Grechi da B2B Reservas Juliana Luengo da BedsOnline e Noah Britto da Trend e1701981392494 Desafios da hotelaria é pauta no 2º Abav Meeting SP

Isabelle Grechi, da B2B Reservas, Juliana Luengo, da BedsOnline, e Noah Britto, da Trend (Eric Ribeiro/M&E)

SÃO PAULO – O primeiro dia da segunda edição da Abav Meeting aconteceu nesta quinta-feira (7), em São Paulo, no hotel Intercity Paulista, e teve em pauta a discussão sobre os desafios e estratégias na hospitalidade para redes e hotéis independentes. No painel, Isabelle Grechi, gerente de Hospitality e Novos Negócios da B2B.Reservas, Juliana Luengo, country Manager Brasil da Bedsonline e Noah Britto, gerente de Vendas Regional da Trend foram as protagonistas do encontro.

Em relação ao desafio da paridade de preços entre hotéis de rede, empresas independentes e o próprio canal de distribuição, as executivas frisaram a necessidade de investimento em diferentes canais, avaliando suas particularidades. “Toda vez que recebemos um print de um preço que está sendo praticado com uma disparidade grande em relação aos demais, avaliamos e se necessário, tiramos aquele hotel do nosso portfólio. Nessa área de hotelaria, muito mais do que brigar com a concorrência, temos que mostrar a importância da cadeia de distribuição”, aponta Noah Britto, da Trend.

“Toda vez que recebemos um print de um preço que está sendo praticado com uma disparidade grande em relação aos demais, avaliamos e se necessário, tiramos aquele hotel do nosso portfólio”

Já Isabelle Grechi, da B2B.Reservas relembrou a importância de analisar de forma justa o perfil do empreendimento e sua prática de mercado para a definição do preço, considerando seu know how e custos para a operação. “Acredito que precisamos passar uma régua entre quem é hoteleiro independente e quem é rede, porque as redes possuem uma estrutura definida, facilitando a distribuição, já o hoteleiro independente é a pessoa que faz toda a gestão por conta, gerando a preguiça tarifária, oriunda de uma dificuldade de gerenciamento”, afirma.

“Acredito que precisamos passar uma régua entre quem é hoteleiro independente e quem é rede, porque as redes possuem uma estrutura definida, facilitando a distribuição, já o hoteleiro independente é a pessoa que faz toda a gestão por conta”

Juliana Luengo, da Bedsonline também aproveitou o encontro para apontar que, embora não seja o fator determinante, a rede social tem sido grande influenciadora na decisão do hotel, bem como o preço da estadia. A segurança em toda a operação foi apontada como fator de preocupação, tanto no que tange a informação compartilhada para o consumidor final quanto sobre os dados sensíveis movimentados.

“Este ano estamos muito focados em segurança para os agentes de viagens, como por meio da LGPD. Às vezes é ruim na operação cumprir todo os requisitos, mas é necessário, porque a segurança da empresa jurídica, financeira e do cliente são muito importantes”, aponta Juliana Luengo, da Bedsonline.

Receba nossas newsletters