Crie um atalho do M&E no seu aparelho!
Toque e selecione Adicionar à tela de início.
De acordo com a legislação atual, informamos que a nossa empresa NÃO utiliza cookies para melhorar experiências a quem nos acessa. Por favor leia nossa Política de privacidade e saiba mais sobre a transparência e Governança Corporativa da nossa organização.
OK

Agências e Operadoras / Brasil / Curiosidades / Serviços / Turismo em Dados

Sebrae: apenas 16% das pequenas empresas conseguiram crédito

Agências de fomento passarão a ter recursos do Fungetur para impulsionar o turismo

A pesquisa mostrou também um crescimento do número de empresas com dívidas/empréstimos em atraso

Um levantamento feito pelo Sebrae mostrou que, entre a primeira semana de abril e o início de junho, cerca de 6,7 milhões de Pequenos Negócios buscaram empréstimos em bancos. E o número de empresários que tiveram o crédito negado ou ainda aguardam resposta das instituições financeiras continua elevado. Dos 6,7 milhões de empreendedores de pequeno porte que tentaram, apenas 1 milhão (16%) efetivamente conseguiu obter crédito.

O mais recente levantamento feito pelo Sebrae em parceria com a Fundação Getúlio Vargas ouviu 7.703 donos de pequenos negócios de todos os 26 Estados e do Distrito Federal. Segundo os entrevistados, o CPF com restrições foi a principal razão (19%) apontada pelos bancos para a negativa do crédito. A negativação no CADIN/Serasa também foi citada por 11% para a negação dos empréstimos. Outros 11% afirmaram que a falta de garantias ou avalistas teria sido o principal obstáculo.

“O crédito continua caro e burocrático. Em cada sete pequenos negócios que buscam empréstimo em banco só um consegue. Elas são 99% das empresas e respondem por a maior parte dos empregos. Em tempos de pandemia, a prioridade deveria ser manter as empresas vivas. Se não socorrermos as empresas que precisam de crédito, não vai haver empresa para voltar a produzir e não sairemos dessa crise tão cedo”, enfatizou o presidente do Sebrae, Carlos Melles.

A pesquisa mostrou também um crescimento do número de empresas com dívidas/empréstimos em atraso (a variação foi de 33% para 41%) entre a primeira semana de maio e o início de junho.

Receba nossas newsletters