Crie um atalho do M&E no seu aparelho!
Toque e selecione Adicionar à tela de início.

Aviação / Turismo em Dados

Companhias terão que desembolsar US$ 35 bilhões em cancelamentos e reembolsos

Aircraft_approaching_runway

Custos inevitáveis das companhias aéreas serão altos por conta da pandemia do coronavírus (Covid-19)

Além dos custos inevitáveis por conta do impacto econômico do coronavírus (Covid-19), as companhias aéreas terão de lidar um outro problema que acarretará prejuízos financeiros extremos: o reembolso de bilhetes vendidos, mas não utilizados, como resultado de cancelamentos em massa resultantes de restrições impostas pelo governo às viagens. Este número, de acordo com a Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata), chegará aos US$ 35 bilhões somente no segundo trimestre.

“As companhias aéreas não podem cortar custos com rapidez suficiente para ficar à frente do impacto desta crise. Esperamos um prejuízo líquido devastador de US$ 39 bilhões no segundo trimestre. O impacto disso na queima de caixa será ampliado por um passivo de US$ 35 bilhões para possíveis reembolsos de ingressos. Sem alívio, a posição de caixa do setor pode se deteriorar em US$ 61 bilhões no segundo trimestre”, disse Alexandre de Juniac, CEO da Iata.

Para tentar evitar mais este gasto colossal, vários governos estão respondendo positivamente à necessidade do setor de medidas de alívio. Entre os países que fornecem pacotes específicos de ajuda financeira ou regulatória para a indústria estão Colômbia, Estados Unidos, Cingapura, Austrália, China, Nova Zelândia e Noruega. Mais recentemente, o Canadá, a Colômbia e os Países Baixos também relaxaram os regulamentos para permitir que as companhias aéreas ofereçam cupons para uma futura viagem aos passageiros no lugar de reembolsos.

“Viagens e turismo foram rapidamente e essencialmente encerrados em uma situação extraordinária e sem precedentes. As companhias aéreas precisam de capital de giro para sustentar seus negócios através da extrema volatilidade. Canadá, Colômbia e Holanda estão dando um grande impulso à estabilidade do setor, permitindo que as companhias aéreas ofereçam vouchers no lugar de reembolsos em dinheiro. Esta medida é um alivio de tempo vital para que o setor possa continuar funcionando. Por sua vez, isso ajudará a preservar a capacidade do setor de entregar as remessas de carga que são vitais hoje e a conectividade de longo prazo de que os viajantes e as economias dependerão na fase de recuperação ”, finalizou Alexandre.

Receba nossas newsletters