Crie um atalho do M&E no seu aparelho!
Toque e selecione Adicionar à tela de início.

Aviação / Turismo em Dados

Iata prevê impacto de US$ 252 bilhões na aviação, mais que dobro da última projeção

Alexandre Juniac, diretor geral da Iata

Alexandre Juniac, CEO da Iata

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata) publicou uma análise atualizada dos impactos da pandemia de coronavírus na aviação comercial. A estimativa da entidade é de que a receita de passageiros caia 44% em 2020, na comparação com o ano passado, o que representa um impacto de US$ 252 bilhões. A projeção considera um cenário em que as restrições impostas por diversos países durem três meses e que sejam seguidas de uma recuperação econômica gradual no final deste ano.

Em sua última análise, a associação estimou uma perda de US$ 113 bilhões. A projeção, no entanto, foi feita no dia 5 de março, antes de grande parte das restrições de espaço aéreo anunciadas, principalmente em países da Europa e das Américas do Norte, Central e do Sul.

“O setor aéreo enfrenta sua crise mais grave. Em algumas semanas, o que era nosso pior cenário se mostra melhor do que as nossas estimativas mais recentes. Sem medidas imediatas de alívio por parte dos governos, a indústria não resistirá. As companhias aéreas precisam de US$ 200 bilhões em suporte de liquidez simplesmente para sobreviver. Alguns governos já deram um passo à frente, mas muitos mais precisam seguir o exemplo”, disse o diretor geral e CEO da Iata, Alexandre de Juniac.

A possibilidade de recuperação da demanda de viagens no final deste ano é enfraquecida pelo impacto da recessão global sobre empregos e confiança dos consumidores. De acordo com a Iata, a demanda de passageiros no ano inteiro (receita de passageiros-quilômetro ou RPKs) deve cair 38% em relação a 2019. Já capacidade da indústria (assento-quilômetro oferecido ou ASKs) nos mercados doméstico e internacional cairá 65% durante o segundo trimestre encerrado em 30 de junho, em comparação com o período do ano anterior.

O maior impacto na demanda será na Europa, com restrições a mais tempo no tráfego aéreo e ainda chegando ao pico da epidemia. A estimativa da Iata para o continente é de uma perda de 46%. Na sequência vem América Latina, com uma perda prevista de 41%, e Oriente Médio (39%). Já em receita, o maior impacto é na Ásia, berço da epidemia, como uma queda de US$ 88 bilhões, seguida por Europa (US$ 76 bi) e América do Norte (US$ 50 bi). A América Latina aparece em penúltimo lugar em relação as maiores perdas em valores absolutos, com US$ 15 bilhões, a frente apenas do continente Africano.

REGIÃO DE REGISTRO DE COMPANHIA AÉREA % de variação nos RPKs
(2020 VS. 2019)
Impacto estimado na receita de passageiros
2020 X 2019
(BILHÕES DE US$)
África -32% -4
Ásia-Pacífico -37% -88
Europa -46% -76
América Latina -41% -15
Médio Oriente -39% -19
América do Norte -27% -50
Indústria -38% -252
Receba nossas newsletters