Crie um atalho do M&E no seu aparelho!
Toque e selecione Adicionar à tela de início.

Cruzeiros

Brasil é fundamental para meta da MSC de embarcar 5,5 mi de passageiros em 2027

Gianni Onorato, CEO da MSC Cruzeiros

Gianni Onorato, CEO da MSC Cruzeiros

SANTOS – A estratégia da MSC não é segredo: chegar a 5,5 milhões de passageiros transportados até 2027, ano em que terá um total de 29 navios na frota. Para 2018, por exemplo, com uma frota atual de 15 transatlânticos, a expectativa é fechar em 2,3 milhões, enquanto em 2019 este número já pula para 2,8 milhões de hóspedes/ano. E neste panorama, embora a MSC atue hoje nos cinco continentes, o Brasil torna-se uma peça fundamental dentro desta estratégia. Isto é o que afirma o CEO da MSC, Gianni Onorato, que está a bordo do MSC Seaview.

“MSC Seaview leva indústria de cruzeiros no Brasil a outro nível”, diz CEO
“Brasil passa a receber o navio com o que há de mais moderno no mundo”, diz Adrian Ursilli

“O Brasil é parte fundamental desta estratégia, porque além de investirmos em novos destinos, é preciso consolidar nossa posição onde somos líderes, como acontece neste mercado. Se não fizermos isso, vamos acabar ficando para trás. E nossos navios são muito jovens, como o próprio Seaview, que chega hoje a Santos, e o MSC Fantasia, que está no Rio de Janeiro com embarques dedicados, que são capazes de atender a demanda dos brasileiros que querem curtir e relaxar em suas viagens”, destacou o CEO da MSC.

A indústria de cruzeiros marítimos transporta atualmente 25 milhões de passageiros. Com forte presença na Europa, África e América do Sul, a MSC reconhece que os novos navios que estão por vir serão fundamentais para a expansão de sua participação na América do Norte, por exemplo, onde o share total só chega a 1%. “E este pequeno marketshare não condiz com as estratégias de mercado da MSC. Estamos sempre focados em investir e agora podemos dar a atenção e crescer em outros mercado que teremos oportunidades. São produtos novos, classes novas, que chegarão para que possamos competir de igual para igual em outros mercados”, revela.

O CEO da MSC deixa bem claro que o objetivo da armadora não é ser a maior companhia de cruzeiros da indústria. Pelo contrário, a ideia é ser líder como uma companhia global internacional. “Isto porque ser uma armadora internacional é ter sua marca registrada em todas as partes do mundo. A MSC hoje opera nos cinco continentes e já é líder em mercados como a Europa, África do Sul e América do Sul. É claro que existe um limite de crescimento para as armadoras, que recebem no máximo três navios por ano, mas vejo a MSC num futuro próximo crescendo em outros mercados, embora toda a indústria siga neste mesmo ritmo”, frisou Onorato.

MSC CRIA NOVA EXPERIÊNCIA DE MERCADO COM CHEGADA DA ASSISTENTE ZOE

Embora líder em certas regiões, com mais navios e chegando a novos destinos, a MSC reconhece que a tendência tecnológica é que ditará a experiência do cruzeirista a bordo. É por conta disso que a armadora está focada em criar experiências mais customizadas aos hóspedes. E a grande novidade é a Zoe, assistente pessoal por voz que fará sua estreia no MSC Belíssima, agora em 2019. A princípio, a Zoe estará em todas as cabines e terá respostas para 700 perguntas, embora tenha inteligência artificial para aprender sozinha e conheça o perfil de cada hóspede.

“E a Zoe falará a língua do hóspede em cada cabine. Você poderá perguntar o que qui