Crie um atalho do M&E no seu aparelho!
Toque e selecione Adicionar à tela de início.
De acordo com a legislação atual, informamos que a nossa empresa NÃO utiliza cookies para melhorar experiências a quem nos acessa. Por favor leia nossa Política de privacidade e saiba mais sobre a transparência e Governança Corporativa da nossa organização.
OK

Aviação / Turismo em Dados

Gol amortiza R$ 1,2 bilhão em dívidas e fecha 1T20 com liquidez de R$ 4,2 bilhões

A receita líquida da empresa cresceu 12% em seu sexto mês consecutivo de alta

A liquidez total foi de R$ 4,2 bilhões, composta por R$ 3 bilhões em caixa e aplicações e R$ 1,2 bilhão em recebíveis

A Gol divulgou o resultado consolidado do primeiro trimestre de 2020 (1T20). A receita líquida foi de R$ 3,1 bilhões, 2% inferior em relação ao 1T19. A receita com transporte de cargas e outros cresceu 16,4% para R$ 206,4 milhões. Como porcentagem da receita líquida, os custos e despesas operacionais da Gol diminuíram 17 p.p para 67,4%. Já o lucro líquido recorrente foi de R$ 173 milhões, enquanto por ação diluído foi de R$ 0,44 e o lucro por ADS diluído foi de US$ 0,20.

“Temos experiência em navegar em tempos de estresse”, comentou Paulo Kakinoff, presidente da Gol. “Estamos focados neste momento da pandemia em três prioridades. Em primeiro lugar, proteger a saúde e a segurança de colaboradores e clientes. Segunda, preservar a liquidez financeira da companhia para superar essa crise e, terceira, assegurar que permanecemos bem posicionados para a continuidade do sucesso do negócio, quando do retorno das atividades, por meio de um plano robusto para a retomada normal das operações”, completou Kakinoff.

A companhia amortizou R$ 1,2 bilhão de principal e juros de dívidas e arrendamentos no trimestre, incluindo o pagamento antecipado de R$ 426,6 milhões de Senior Notes emitidas no mercado internacional. A liquidez total foi de R$ 4,2 bilhões, composta por R$ 3 bilhões em caixa e aplicações e R$ 1,2 bilhão em recebíveis. A companhia registrou forte geração de caixa operacional (R$1,1 bilhão), com margem de fluxo de caixa operacional de 35,6%, melhora de 27,7 p.p.

No primeiro trimestre, a empresa transportou 8,3 milhões de clientes, sendo 7,8 milhões no mercado doméstico (-7,1%) e 500 mil no internacional (-15,8%). A Receita Líquida por Assento Quilômetro Ofertado (RASK) foi de 25,26 centavos (R$), um aumento de 2,6%. Já a Receita de Passageiros Líquida por Assento Quilômetro Ofertado (PRASK) foi de 23,60 centavos (R$), incremento de 1,4%. Sua pontualidade foi de 92,6% e a taxa de ocupação média chegou aos 79,8%.

O EBITDA recorrente e o lucro operacional (EBIT) recorrente atingiram R$ 1,4 bilhão e R$ 938 milhões, respectivamente. A margem EBITDA recorrente e a margem operacional (EBIT) recorrente foram de 45,7% e 29,8%, um aumento de 16,1 p.p. e 12,8 p.p. respectivamente, em relação a igual período do ano anterior. A Gol obteve uma forte melhora na margem do fluxo de caixa operacional neste trimestre, apesar dos impactos da Covid-19 na segunda quinzena de março. A companhia tem à sua disposição mais de R$ 7 bilhões em fontes de liquidez, equivalentes à receita esperada da empresa até o final do ano.

“As ações responsáveis que tomamos incluem a suspensão temporária de quase todos os voos, postergação de pagamentos de arrendamentos, corte de investimentos, adiamento no recebimento de novas aeronaves, renegociação de prazos com fornecedores, redução significativa nas despesas com pessoal e cooperação com o Governo brasileiro. Ao agir com rapidez e determinação, reduzimos custos fixos e preservamos o emprego dos nossos colaboradores e nosso capital de giro no curto prazo. Isso nos propicia a liquidez necessária para enfrentar a tempestade”, acrescentou Kakinoff.

unnamed

Receba nossas newsletters