Crie um atalho do M&E no seu aparelho!
Toque e selecione Adicionar à tela de início.

Curiosidades / Tecnologia

Realidade aumentada e virtual: o que a febre do Pokémon Go pode ensinar ao Turismo

por Camila Oliveira e Lisia Minelli

Conheça a visão de profissionais sobre a realidade virtual e como isso interfere na promoção dos destinos e experiência dos viajantes.

Como a febre do aplicativo Pokémon Go – ferramenta de tecnologia de realidade aumentada onde o usuário pode capturar personagens virtuais no mundo real – pode interferir na oportunidade para os negócios e empresas? E de que forma essa ferramenta pode ajudar o turismo na promoção de destinos e ensinar sobre inovação? O fenômeno mostrou que é possível agregar ao mundo real uma boa dose de informação digital, usando um dispositivo que dez em cada dez pessoas já possuem: o celular.

Muito já se fala e se utiliza da realidade aumentada e virtual, inclusive no turismo. Como exemplo, temos a Casa Batló, em Barcelona, que disponibiliza um sistema de áudio guia com tablet aos seus visitantes que, ao serem direcionadas em alguns ambientes, é possível visualizar como era a antiga casa quando habitada, com móveis e explicações de onde Gaudí tirou suas inspirações para a construção.

Um destino que também já faz uso da ferramenta é St. Petersburg and Clearwater, na Flórida, que levou à WTM-LA 2016 os óculos de realidade virtual que mostra todos os atrativos do destino numa imersão 360 graus.

Porém, todos esses exemplos citados são realizados em ambientes controlados e limitados; diferente da integração do Pokémon Go com o Google Maps, que transformou a forma experiência e a levou para as ruas – e para qualquer lugar que se imaginar. Desde seu lançamento, o aplicativo já deixou muitas pessoas surpresas com as descobertas que fizeram – um momento histórico, uma atração ou mesmo uma informação sobre aquele determinado ponto.

O fenômeno fez, inclusive, com que o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, fizesse um apelo para que a Nintendo – um dos responsáveis pela criação do Pokémon Go, junto com a Pokémon Company e Niantic –, traga o jogo ao Brasil durante os Jogos Olímpicos. Até o momento, a novidade está disponível apenas nos Estados Unidos, Austrália, Nova Zelândia e Alemanha.

Como os destinos podem aplicar ou usufruir dessa tecnologia?

pokemon go

Aplicativo Pokémon Go

Sob o lado tecnológico, para Fernando D’Angelo, blogueiro do M&E, o Pokémon Go conseguiu trabalhar pontos turísticos de uma forma diferente, integrando o turismo com as pessoas. É pautado nisso que, Hillsboro, cidade do Texas, já está trabalhando para expandir o número de visitantes à cidade – como publicado pelo MERCADO&EVENTOS.

“Hoje quando buscamos turismo é tudo muito investigativo, enquanto o aplicativo consegue unir aprendizado a diversão de um jogo”, comentou D’Angelo. Além disso, ele enfatiza a grande abrangência da ferramenta que é acessível a todos pelo celular.

Para Ricardo Marsili, da M2BR, os destinos podem se aproveitar dessa tecnologia de duas formas: “usando a realidade virtual para estar em um lugar onde a pessoa não está; e a outra maneira é usar a realidade aumentada para deixar o processo de visita para um destino ainda mais divertida, mais informativa, conectando pessoas e aumentando a interação entre elas”, disse. “Agora é esperar qual destino vai se destacar e se aproveitar dessa ferramenta e usufruir disso como uma forma de melhorar a experiência do visitante”, completou.

O profissional alerta que o Pokémon Go não é uma ferramenta de realidade virtual, mas de uma realidade aumentada – quando o mundo físico “entra em jogo” e nele é acrescentado um item para essa realidade; diferente da realidade virtual, que é realizada em um espaço fechado. Um exemplo de realidade virtual é a sala imersiva 3D do M&E AO VIVO, que transportam os agentes de viagens para uma experiência interativa – uma forma diferenciada de mostrar produtos e destinos. Confira um trecho da apresentação da sala imersiva:


Gisele Abrahão, sócia da GVA Representação de Turismo, acredita que esta seja mais uma forma diferenciada de apresentar e promover um destino. Ela contou que representados pela empresa já possuem tecnologia virtual como o caso de Mônaco, que por meio do site é possível fazer um tour 360º por alguns atrativos da região. “O conteúdo inspira e amplia o querer das pessoas”, comenta.

Segundo Fernando D’Angelo, a realidade virtual restringe o seu uso e não faz parte do dia a dia das pessoas, já algo como o Pokémon Go, esta disponível facilmente. “Acredito que o principal benefício de tudo isso que aconteceu com o aplicativo, foi a discussão sobre a possibilidade de se unir o virtual com o real, o online com o offline”, disse.

Sob essa linha de raciocínio de expansão das novas tecnologias, Gabriela Otto, especialista em Marketing, também comenta os impactos disso no turismo. “Juntas, a realidade aumentada e virtual podem se tornar uma tecnologia que vai revolucionar a tomada de decisão dos viajantes. Estas propostas, cada vez mais vigentes, impactam diretamente na decisão de compra e até a própria experiência.”

Gabriela comenta ainda que as agências podem se beneficiar desses fatores, se tornando mais customizada. “A agência sempre terá cliente, mas ela deverá estar alinhada com as novas necessidades dos clientes. Porque cada vez mais, os viajantes estão buscando coisas intangíveis e mais subjetivas”, explicou a profissional.

No site de Mônaco é possível fazer um tour 360º por alguns atrativos do destino

No site de Mônaco é possível fazer um tour 360º por alguns atrativos do destino

Receba nossas newsletters