Crie um atalho do M&E no seu aparelho!
Toque e selecione Adicionar à tela de início.

WTM-LA 2019

Women in Travel recebe mais de 220 mulheres em palestra e 85 na mentoria durante WTM LA 2019

Sucesso na edição deste ano, programa já está confirmado na feira de 2020

Sucesso na edição deste ano, programa já está confirmado na feira de 2020

Os números alcançados comprovam que a primeira edição do Women in Travel como parte da programação da World Travel Market Latin America, que aconteceu em São Paulo, entre os últimos dias 2 e 4 de abril, foi um sucesso. A palestra reuniu mais de 220 mulheres, enquanto a sessão de mentoria teve 85 (capacidade máxima).

Entre a mentoras selecionadas neste ano, estava Juliana Vital, General Manager do Voopter, aplicativo brasileiro de comparação de preço de passagens aéreas e promoções. “Ações como esta nos colocam em um caminho mais possível de alcançar a equidade que tanto buscamos. O modelo do projeto também me encanta, mulheres trocando conhecimento umas com as outras, uma rede colaborativa que nasce ali e pode continuar alimentando o ecossistema. Nós, líderes, (e não só as mulheres líderes, os homens também possuem papel fundamental nesse processo) precisamos contribuir para que a escalada da mulher na sociedade se inicie no mesmo andar da escalada do homem. Hoje sabemos que essa não é a realidade, mas estamos em luta para que seja em um futuro breve”, avalia Vital.

Em todos os países o projeto é conduzido por Alessandra Alonso. “Começamos essa empreitada há seis anos, na WTM de Londres, onde reunimos 200 mulheres na primeira edição. Aqui no Brasil, superamos esse número na nossa estreia. Posso afirmar com toda certeza que quando mulheres se juntam a mágica acontece. A etapa da mentoria, por exemplo, é de extrema importância e funciona bem. Ali existe uma troca de energia e experiências únicas. Isso contribui para que muitas mulheres se sintam mais confiantes e saibam que não estão sozinhas em sua luta diária”, avaliou Alonso ao final do evento.

Ela cita a “impostor syndrome” (síndrome do impostor), que ainda afeta muitas mulheres. “São pessoas de baixa autoestima, que muitas vezes duvidam de si mesmas quando lidam com negócios, família e uma variedade de projetos. No entanto, elas também são capazes de realizações surpreendentes, muitas vezes contra todas as probabilidades”, explica.

No Brasil, Alessandra contou com o apoio e curadoria de Mariana Aldrigui, professora e pesquisadora de Turismo na Universidade de São Paulo. “Percebemos que é grande o número de mulheres que se interessam pelo turismo, pensam sobre o tema, produzem, mas, ao longo do caminho, acabam não chegando a postos altos na carreira. Geralmente, avaliamos os casos de forma isolada, mas se analisarmos o conjunto, fica evidente a alta frequência com que isso acontece”, explica a pesquisadora. Para Aldrigui, nunca é tarde para refletir sobre o tema. “Durante sua vida, a mulher precisa se provar duas vezes: uma para ela mesma e outra para a sociedade”.